COVID-19 em cachorros!?

21 mar, 2020

COVID-19 em cachorros!?

COVID-19 em cachorros!?

A coisa não está bonita e tem muita desinformação sobre o COVID-19 rolando por aí, e desinformação amigo, causa pânico e o pânico é um inimigo mortal. Este é um momento que precisamos ter clareza, por isso conversamos com alguns especialistas e consultamos nossas universidades parceiras nos Estados Unidos para trazer informações mais precisas sobre o novo coronavírus (COVID-19) e qual o risco para nossos pets.

As informações aqui poderão e serão atualizadas à medida que tivermos mais dados das pesquisas em andamento e de novas pesquisas que ainda serão feitas.

O conteúdo desta matéria foi graças a colaboração da Colorado State University e do Dr. Michael Lappin, professor de doenças infecciosas na CSU James L. Voss Veterinary Teaching Hospital.  

Coronavírus e COVID-19

O coronavírus é um grupo de vírus composto por pelo menos três grupos que causam de médias a severas doenças entéricas, sistêmicas e respiratórias. SARS e MERS são coronavírus bem conhecidos e agora é a vez do COVID-19.

Os coronavírus são comuns em várias espécies de animais incluindo: gado, cavalos, cães, gatos, furões, camelos, morcegos e outros. Embora não seja comum, os coronavírus podem ser transmitidos de animais para humanos. Morcegos podem ser hospedeiros reservatórios de vírus que podem atravessar as barreiras de espécies, infectar seres humanos e outros mamíferos.

Nos últimos dois grandes surtos de coronavírus transmitidos a seres humanos, a transmissão ocorreu através de hospedeiros intermediários: SARS pelo civet de palma mascarado e o MERS pelos camelos dromedários.

Atualmente várias autoridades e parceiros de saúde pública estão trabalhando para identificar a fonte animal do novo coronavírus de 2019 (2019-nCOV), agora conhecido oficialmente como COVID-19. As investigações estão em andamento, porém as primeiras infecções foram ligadas a um mercado de animais vivos na China.

O COVID-19 pode infectar meu cachorro?

Segundo a Organização Mundial de Saúde Animal ainda não há evidências de que animais como cães e gatos adoeçam com o COVID-19.

É importante lembrar que às vezes um vírus pode infectar uma espécie, mas não causar doenças nem se tornar transmissíveis para outras espécies. Como visto no caso do Spitz em Hong Kong, colocado em quarentena quando amostras da cavidade nasal e boca testaram um “positivo fraco” do COVID-19, após seu dono também testar positivo para o COVID-19. As autoridades de Hong Kong acreditam que poderia ser um caso de transmissão “humano para animal”, mas enfatizam que não há motivo de alarme, pois o cachorro não mostrou nenhum sinal da doença e foi liberado após a quarentena ao ser testado negativo.

Segundo a Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Illinois:

“Este paciente canino estava em contato próximo com um humano infectado, que provavelmente estava eliminando grandes quantidades do vírus. Isso levou o vírus a estar no nariz do cão. Não há indicação de que o cão esteja doente ou apresente sintomas. As autoridades dizem que continuarão em quarentena e testarão o cão para avaliar se o paciente canino fica doente. Em resumo, havia coronavírus no cão, assim como havia coronavírus no chão da sala, mas o cão não estava infectado ou doente”.

Estamos monitorando um segundo caso, também em Hong Kong, de um Pastor Alemão que teve um resultado positivo do COVID-19, depois de seu dono ser infectado, este cachorro continua em quarentena, mas também não adoeceu. Nós iremos postar atualizações do caso neste post se necessário.

As autoridades de Hong Kong e o CDC Americano afirmam que atualmente não há evidências de que animais de estimação possam ser uma fonte de COVID-19 para humanos ou que o vírus possa causar a doença em pets.

O IDEXX, serviço de testes veterinários nos Estados Unidos, anunciou em 13 de março de 2020 que avaliou milhares de amostras caninas e felinas durante a validação de seu novo sistema de testes veterinários para o COVID-19 e não obteve resultados positivos.

Sendo realista: Se, por exemplo, seu cachorro não entrar em contato com outros cães ou pessoas, e ninguém na sua casa tiver COVID-19, as chances de seu animal ser infectado, se é que isso é possível, são altamente improváveis.

Porém, este é um vírus novo e como não sabemos muito ainda, toda a precaução pode salvar a sua vida (e a do seu cachorro, porque quem irá cuidar dele se você adoecer?).

Devo evitar o contato com meu pet se eu estiver doente?

Sim! Se você estiver sintomático ou doente evite o contato direto com seu pet incluindo: acariciar, pegar no colo, dormir na mesma cama, ser beijado / lambido e NÃO compartilhe alimentos que possam conter a sua própria saliva ou outras secreções. Lembre-se sempre de que este é um novo coronavírus e ainda não se sabe muito a respeito dele.

Quando possível, peça ajuda para que um amigo ou membro da sua família cuide dos seus pets enquanto você estiver doente.

NÃO SAIA DE CASA!!!

Nós levamos uma comidinha saudável e natural para o seu cachorro na porta da sua casa!

 

Se você precisar cuidar do seu pet ou ficar perto de animais enquanto estiver doente, lave as mãos antes e depois de interagir com eles e use uma máscara facial, se solicitado pelo seu médico.

Embora não tenha havido relatos de pets adoecendo com COVID-19, vários tipos de coronavírus podem causar doenças e se espalhar entre animais e pessoas. Então, por uma questão de saúde e higiene cotidiana, é sempre uma boa ideia lavar as mãos com água e sabão após o contato com pets para evitar a transmissão de agentes causadores de doenças mais comuns como a salmonela por exemplo.

Meu cachorro pode me infectar com o COVID-19?

“No momento, não há evidências de que animais de companhia, incluindo animais de estimação, possam espalhar o COVID-19 ou que possam ser uma fonte de infecção.” 

CDC (Centers for Disease Control and Prevention)

A transmissão do COVID-19 ocorre principalmente de pessoa para pessoa quando há contato com secreções corporais de uma pessoa infectada, como gotículas de saliva ou muco de uma tosse ou espirro.

Também existem as transmissões por fômite (pelo toque em superfícies e objetos contaminados) e em seguida tocando boca, nariz e olhos. Superfícies lisas como bancadas e maçanetas podem transmitir o vírus melhor que superfícies porosas como papel moeda, couro, tecido ou talvez o pelo do seu cachorro. Materiais fibrosos absorvem ou prendem o vírus dificultando a contração com um simples toque.

Apesar de ser altamente improvável, ainda não sabemos se cães e gatos podem adoecer com este novo coronavírus (COVID-19) e atualmente NÃO HÁ NENHUMA EVIDÊNCIA de que pets ou outros animais domésticos possam ser uma fonte de infecção para humanos.

Esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem disponíveis.

Quais são as preocupações a respeito de pets que tiveram contato com pessoas infectadas pelo COVID-19?

Embora este vírus pareça ter surgido de uma fonte animal, ele se espalha de pessoa para pessoa. Porém, como se sabe pouco sobre o vírus é bom tomar cuidados redobrados se você estiver cuidando de um pet que foi exposto ao COVID-19.

Não permita ser beijado/lambido, principalmente no rosto e caso ocorra higienize-se.

Lave bem as mãos antes e após interagir com pets. Limpe bem os ambientes que o Pet ficará com soluções veterinárias de boa qualidade.

O que devo fazer se meu pet ficar doente depois de ter ficado em contato com uma pessoa infectada com o COVID-19?

Não entre em pânico a probabilidade do seu cachorro ter adoecido pelo COVID-19 é muito, muitíssimo improvável. Até agora, dia 21 de março de 2020, nenhum caso de uma cachorro doente foi reportado.

Porém, se seu Pet ficar doente dias após o contato direto com uma pessoa que positivamente foi infectada pelo COVID-19, ligue para o seu veterinário e informe o tipo de contato e relação que o pet teve com o infectado e todos os sintomas atuais. Veterinários infectologistas são os mais indicados nestes casos.

Não leve seu pet direto a uma clínica sem antes conversar com a equipe veterinária e informar que seu pet teve contato com um infectado do COVID-19. Como este é um vírus novo os profissionais de saúde precisam ser avisados dos riscos ao manusear animais doentes.

Não leve seu cachorro ao veterinário ou serviços de saúde apenas por uma suspeita! Lembre-se: todos os agentes de saúde estão com muito trabalho e existe muito stress neste momento. Qualquer tempo perdido para tratar de uma suspeita, doença imaginária ou capricho seu pode custar a vida de alguém que realmente precisa.

Se seu pet precisar de uma emergência veterinária de outra natureza, ligue antes de levá-lo a qualquer lugar. Certifique-se primeiro de como anda o atendimento no local e se eles têm um serviço para buscar o seu pet. Muitos lugares estão limitando o contato com pessoas ou estão fechados. Antes de sair correndo: pare, pense, planeje e se informe antes de agir.

Qual a melhor forma de proteger minha família humana e canina?

  • Higienize as suas mãos antes e após interagir com seu pet;
  • Leve suas mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos, lavando bem entre os dedos e as costas da mão;
  • Se não tem como lavar as mãos tenha sempre no bolso um pequeno frasco de higienizador a base de álcool 60-95% (bom e velho álcool gel);
  • Evite tocar o rosto (boca, nariz e olhos) se for difícil de evitar ou lembrar triplique as vezes que você lava as mãos e higienize seu local de trabalho com álcool 95% a cada duas horas;
  • Diminua os passeios e aumente as brincadeiras em casa. Agora você tem um tempinho extra para brincar com seu cachorro. Evite sair para passeios onde você irá encontrar outras pessoas;
  • Siga todas as instruções da saúde pública e fique em casa (quer coisa melhor que ficar em casa com seu cachorro!?)
  • Alimente-se bem com fontes saudáveis, tente evitar carboidratos e açúcar pois farão seu corpo produzir mais insulina para baixar o nível de açúcar no sangue e insulina demais é inflamatório e você não quer um alto risco de inflamações no meio de uma pandemia, certo!?
  • O conselho acima serve para o seu cachorro! Mantenha seu pet saudável! Embora seja muitíssimo improvável que ele venha a se infectar ou adoecer, por causa do COVID-19, cachorro saudável quer dizer menor incidência de problemas que precisaram que você saia de casa para levá-lo ao veterinário. O mesmo conselho sobre os carboidratos damos para o seu cachorro. Fuja de alimentos com milho, trigo, soja ou arroz branco em sua composição. Estes ingredientes se transformarão em açúcar e o pâncreas do seu cachorro terá que fazer hora extra para produzir insulina para baixar os níveis de açúcar e assim ele ficará aberto a inflamações e envelhecimento precoce além do risco de diabetes;
  • Não saia de casa para comprar comida para o seu cachorro, nós levamos até você semanalmente uma alimentação 100% natural com tudo que seu cachorro precisa para estar sempre saudável, serelepe e pimpão! Conheça a Green Buddy – best dog food ever!

Green Buddy – best dog food ever

Nós acreditamos que cachorro tem que comer o que a natureza tem de melhor. Em parceria com a Universidade do Colorado (nos Estados Unidos), desenvolvemos um programa onde seu cachorro pode variar a alimentação todos os dias para estar sempre saudável. Saiba mais aqui!

Se você gostou deste texto e achou que foi útil compartilhe com seus amigos. Compartilhar é a melhor maneira de ajudar.

Lio Volino

Green Buddy Founder & Blogger. Formado pela UFMG e FGV, mora em São Paulo/SP, ama cachorros, gatos e ornitorrincos. Cansado de perder seus cachorros para o câncer decidiu fazer alguma coisa a respeito.

1 comment

  1. A duvida é: caso alguem infectado, acaricie o meu caozinho, o virus fica no corpo do animal, digo no pelo? Meu cachorro na verdade tem um dogwalker e por enquanto esta sem passeios, mas gostaria de saber se tem problema..?!!

Leave a Reply

*